Tatuagem…faça a sua você também!

 


Esse post é um desafio para mim. Dissertar sobre algo de que gosto muito, tatuagem. Apesar de gostar, quem me conhece pessoalmente não imagina que eu tenho uma tattoo na costela, em um tamanho considerável, mas…tenho.

Nasci numa época (década de 80), onde mulheres tatuadas não eram bem vistas. Não quero comparar com outras épocas, mas apenas contar o que vivi. Eu, no auge dos meus 6 anos de idade, vi minha irmã, 15 anos mais velha, chegando com um curativo nas costas. Adivinham o que era? Minha mãe quase a expulsou de casa, e eu com aquele tamanho todo soltei um “A vida é dela, ela faz o que ela quiser”. Minha mãe lembra disso até hoje.

Se em outro post eu disse que a decisão de colocar um piercing deve ser bem avaliada, para fazer uma tatuagem, seja ela onde for, é necessário pensar “zilhões” de vezes, afinal a ideia é a de que ela fique lá para sempre ,certo? Mas não duvido de que a medicina, daqui alguns anos, nos permitirá apagar uma tattoo com a mesma facilidade com a que apagamos um rabisco a lápis com uma borracha.

Apesar da introdução “pró-tattoo”, vejo coisas por aí que me arrepiam. Na primeira visita que fiz ao estúdio onde me tornei um tatuado, contaram uma história de três garotas que foram lá, uma para tatuar e duas amigas acompanhando, e digo a vocês, gente apaixonada só faz merda, e gente apaixonada por gente com nome feio, é pior ainda.

A dita cuja tatuou aquele tradicional (e brega) coração no braço com o nome do namorado dentro: VANTUIR. Pelo amor de Deus, Vantuir não dá. Faça um V, mas não escreva Vantuir. Parece nome de remédio: “Para enxaqueca tome Vantuir 100mg”. Mesmo se este amor durar eternamente, um dia ela vai se arrepender de ter feito isso. Se o nome do cara fosse mais “normal” ainda vai, mas VANTUIR não dá.

Existem também as “mulheres-gibis”. O nome dispensa explicações, mas eu vou contar para vocês que tenho visto garotas com as costas e braços “fechados” com desenhos bem interessantes. Acho que quando se usa várias cores no desenho a tattoo fica menos pesada. Desenhos carregados de preto ficam “heavy” demais, penso que ficam melhores em homens.

Tattoo no pé é sexy, no pescoço é sexy, no pulso é sexy, no tornozelo é sexy, na nuca é sexy, nada como um desenho pequeno e meio escondido para aguçar a curiosidade masculina. Desenhos nos braços e nas costas podem ser bonitos sim, mas não tem o mesmo charme.

Beijos.

Alexandre Bagarollo (Ken)

Obrigada por acessar o Shampoo de Laranja!