Holográfico do Brasil

em Sem categoria

 

Nunca fui das pessoas mais ligadas em tendências de esmalte. Demorei um tempão para conhecer os tais craquelados, flocados e holográficos. Antes disso, só cremoso, cintilante e metálico.

Com a enxurrada do mercado de esmaltes, me obriguei a ler um pouco mais sobre o assunto, conhecer marcas novas e  texturas diferentes. Comecei a usar holográficos quando aqui no Brasil só existia uma marca que produzia, a tal Sancion Angel,que dizia fabricar esmaltes holográficos. Nem comprei, porque vi nas mãos de uma amiga e além de achar o preço absurdo, vi que a marca não fazia esmalte holográfico e sim, um esmalte com glitter misturado, um pouco estranho.

Meus primeiros holográficos foram da marca China Glaze, esses sim, além de holográficos, deslumbrantes e com um efeito digno de ser chamado de holográfico. Refletia muito brilho, cores lindas e textura ótima.

O primeiro esmalte holográfico nacional que me despertou a curiosidade para testar foi o “Na Mira 3 D” da coleção SPFW da Impala. Olhando no vidro, parecia bem bonito e  aparentava ter uma textura boa para aplicação.

A cor dele é bonita, um feafite com brilhos furta cor, dá pra usar pra trabalhar e para sair, sem fazer feio. O que me incomodou  na versão da Impala foi que na hora de limpar, as unhas ficam cheias de partículas de brilho, parecendo glitters. E olhando o efeito com um olhar mais crítico, o esmalte também parece misturado com glitter e não um bom holográfico.

Na minha opinião, um bom holográfico tem as partículas refletoras de luz bem pequenas, quase como pó em sua formulação. Mas dentre os nacionais que vi, a Impala parece ter o que mais se aproxima de um bom holográfico. Por enquanto, sigo usando os China Glaze mesmo, que compro no eBay a um preço amigo.

Se alguma de vocês conhece uma marca nacional com esmaltes holográficos bons, por favor, indique neste post, assim, eu procuro para comprar e testar.

Vocês já usaram o Na Mira 3 D? Gostaram?

Beijo