Cortar ou não cortar?

E todas vocês devem ter visto a novela da vida real envolvendo o fato de a atriz Marina Ruy Barbosa não querer cortar seus lindos cabelos para o papel da moça com câncer da novela das nove da Rede Globo.

E fato é que a atriz negou-se e segundo o autor, a raspagem dos cabelos estava prevista na sinopse da novela quando esta aceitou fazer o personagem. Negou-se por vaidade, por questões contratuais e sei lá se tem mais motivos além da sua própria vontade.

O cabelo da Marina   é lindo, DIVINO. Isto é inegável. Mas todas vocês sabem, que quem passa por doenças como câncer, perde os cabelos por conta dos tratamentos agressivos ao organismo. Foi assim com a minha mãe,ela ficou careca com os remédios, raspou os cabelos e morreu com ralos cabelos branquinhos.

Ela também não queria raspar, não queria ficar careca, mas precisou. Imagina para uma cabeleireira (ela era!) raspar o cabelo? Elas amam cabelo, como haveriam de ficar sem? Mas ela raspou  e a coitadinha morreu me perguntando se um dia ia ter cabelo de novo e se ia poder pintar seu cabelo outra vez. Eu lacrimejava, olhava para o lado e despistava, dizendo que sim, um dia ia dar pra pintar de novo. E eu mentia pra ela, sabendo que seu fim era próximo  e que sua careca a acompanharia até o fim.

Penso que para um papel como esse mostrar realidade, a atriz deveria sim mostrar que é difícil ficar sem o cabelo para uma mulher vaidosa, mas que em solidariedade os milhares de pacientes que enfrentam isso diariamente, ela fez.

Se ela ganharia grana sem o cabelo? Claro que sim e talvez até mais, pois sua notoriedade e ato de solidariedade seriam maiores do que um contrato milionário com empresa de cosméticos. Ela fecharia muitos outros, é jovem, tem rosto bonito e poderia usar apliques, extensões, variar o cabelo até ele crescer divinamente lindo outra vez.

E eu não sou traumatizada e nem recalcada porque minha mãe morreu quase sem cabelo e com câncer. Não, faz quase um ano que não tenho ela aqui e aprendi a lidar com a morte do jeito mais natural possível, a ponto de não me prender tanto a vaidades, pois um dia, pode vir uma doença e levar  tudo da gente.

Sim, eu falo sobre produtos de beleza, meu blog é sobre isso. Mas também, acho que meu veículo é uma plataforma de debate para assuntos não tão fúteis assim e me sinto à vontade para emitir minha opinião sobre a raspagem dos cabelos para a personagem.

Em síntese, tem um monte de gente apegada ao cabelo que chora muito pra ter que raspar, mas raspa porque a doença leva os fios embora. Tem gente que não escolhe se raspa ou não. Vai ser uma personagem que passa por quimio? Raspe os cabelos.

Ou melhor, não sabe brincar, não desce pro play.

Beijos.